terça-feira, 2 de novembro de 2010

O cômodo



Ela só estava bêbada, não queria dizer que não precisava de um cotonete. Que não precisava ser ouvida ou só reforçar a maquiagem ao invés de lavar a cara. Ela não estava doente, só em um outro estado, puxou a cadeira mas não era o suficiente. Tudo bem, puxou pouco a cadeira e ia sentar no braço, ela ia cair, quase caiu, mas se equilibrou há tempos. Antes de ver o teu sorriso cínico faminto da queda dela. Ter o que apontar e do que rir.
Concordo, as palavras eram muito pesadas, aquela metralhadora de ofensas, a cerveja que ameaçou jogar na sua cara, o bilhar que ela jogou e nem lembra. Concordo, parece muito errado, era tão frio e ela não tremia debaixo daquele top branco, ela não se defendia de nada e nem precisava de tanto que atacava. Ela sempre foi assim e você sabe, está cobrando o que? O batom marrom não estava tão certo. A boca emulava palavras. Ela sentou na calçada, no chão, no vinho e ainda assim era mais forte que você, tinha mais coragem que você, sabia de tudo esquecendo de tudo, vendo tudo. Passando por tudo. A calça de couro não aderia nada. O cabelo desregrado era mais bonito e o sorriso menos pretencioso, essa era a verdade. Que você a ama assim mesmo, dá bronca porque acha que deve, mas tem medo de esquecer da razão tendo a razão, de pagar boleto alheio. Quer cuidar dela porque acha que pode, que ela ficará grata e vai te reconhecer, mas ela não vai. Porque ela acha que está muito bem sozinha, obrigada e vai ficar assim antes, durante e depois das lágrimas.
Quatro paredes, chuveiro e cama? Pff. O cômodo não é esse, ela tinha milhas de cidade pra percorrer sonâmbula; o coturno não tinha peso, o cinto de bala era o apoio da mão. Ela apontava e não fazia perguntas, quer ouvir ouça, quer chorar chore ninguém nunca vê o lado dela, porque ela nunca saiu daquele lado pra dar a visão a outro.
Mas era só cerveja e São Franscico e ela só deu um soco na cara do velho. Só disse adeus uma vez naquela noite. Tudo aquilo podia ser definitivo e como desculpa ela estava bêbada; mas era tudo que queria, a comodidade de fazer o que quisesse e depois acreditarem que se arrependeu, caso ela realmente se arrependesse ou fosse conveniente o dizer.

15 comentários:

  1. belo blog
    http://www.seumadruguinha.blogspot.com/
    me segue ?

    ResponderExcluir
  2. me segue?
    www.seu avo de quatro.com

    ResponderExcluir
  3. Gosteei ((:

    http://euaprendique.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Admiro quem escreva assim.

    www.osmininu.com.br

    ResponderExcluir
  5. Interessante, muito bom seu post !
    Estou te seguindo, me visita tb:
    http://thealbthoughts.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Sem sentido, profundo e portanto legal.
    Viajei na transgressora, desregrada descrita aí em cima.
    Pude vê-la na calçada, com seus cabelos desgrenhados, batom marrom, sendo forte e sem pedir nada. Simplesmente porque não precisa.
    (Só os olhos inquiridores).
    Gosto dessas descrições, dessa jogada de cenas em nossas mentes, tudo rápido feito cinema.
    É legal.

    ResponderExcluir
  7. me segue?
    www.seu avo de quatro.com

    AhaUHAuahuaha
    acho impressionante a paciência que algumas pessoas têm para com esse tipo de gente. PQP ¬¬'

    Quanto ao escrito, excelente, como é de costume.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Gostei da maneira como você escreve, vou dar uma olhada em seus outros textos.. :)

    ResponderExcluir
  9. Também achei sem sentido, talvez seja essa a proposta do texto? A guria tem uma vida louca e o modo como descreveu detalhadamente fez com que enquanto eu lesse tudo se auto desenhasse na mente.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. esse texto é a única coisa que me deixa mais triste do que a multa que chegou por excesso de velocidade na marginal pinheiros, daquele domingo...
    corria ansioso, pensando no churrasco '--

    vc é foda. babaca.
    nessa sua furia de explodir coisas e matar pessoas, não raro , quando se chateia , sai quebrando coisas motivada apenas por suposições. poxa, vc não vê atravez de paredes nem da carne. ninguém vê.
    quer ver a verdade, olhe nos olhos.

    ... mas vc nao vai fazer isso. é como dizer "contenha'se" para uma bomba atômica, rs

    é mesmo uma idiota. uma grande babaca incomparavemente adoravel =]

    ResponderExcluir
  12. será que esse mar negro engole a alma de todos personagens do livro? engole, mastiga, cospe pro alto, faz bolha, pendura na ponta da lingua - ah, agora etendi a dessa lingua na capa; o engodo para atrair as vitimas, rs - e a alma que cai nessa escuridão nunca mais tem paz e nunca mais consegue sair e nunca mais quer sair

    ResponderExcluir

Olá. Você, sendo você mesmo, não é bem vindo aqui. Mas se você for qualquer outra pessoa, sente-se no chão e coma uma xícara de café.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails