segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Carta a amiga




____________,

É a primeira vez que te vejo. Começamos bem, você está escorregando no sabão enquanto lava a cozinha. Eu estava bocejando para a paisagem que se via pela fresta dos prédios, quando você ergueu as perninhas para cima, caiu de costas e foi agredida pela vassoura desequilibrada, em seguida.
Hoje o céu está roxo, laranja e rosa, daqueles fim de tardes taxados de maravilhosos. Maravilha que já cansei de ver em slides de motivacionais na empresa ou nas imagens que já vem com o windows. Ou então em qualquer tela de pintor medíocre utilizada para impressionar a tia gorda que só aparece no natal. Bah.
Sabe no que eu estava pensando? Em como a vida é boa, como as oportunidades são vastas, como eu posso ter tudo o que quero e enquanto isso, me atraso para o trabalho e deixo um cesto de meias sujas para decorar a casa até um futuro longínquo. E esta zona me lembra que quero comprar uma câmera, que estou perdendo a lembrança de imagens fodásticas. Não inclui, claro, este por do sol ridículo - e nem as meias sujas e sem par -.
Tenho cozinhado melhor. Tá certo que o tempero cozinha mais do que eu, mas ostento méritos porque ninguém precisa saber disso.
Fim de tarde, tempo quente, daqui a pouco vem aquelas chuvas fanfarronas que berram dois minutos e abrem as pernas pro sol logo em seguida. Tenho saudade de verdadeiras pancadas, cataclismos que roubam guarda-chuvas, destroem chapinhas e deixa o povo maquiado com cara de Alice Cooper. Não que eu seja fã, mas ao menos torna as coisas mais interessantes. Dá a roupa recém comprada e aos adornos recém produzidos a cara de novidade que normalmente eles não tem.
Assim como você, minha amiga de janela indiscreta, que agora se levanta do chão com uma mão nas costas e outra na cabeça, em sua caduquice temporária. Me faz sentir confortável. Para fechar, só faltou uma cerveja e um céu com um pouco mais de melanina.

Até mais,

7 comentários:

  1. Você está escrevendo um absurdo.

    Estilo inconfundível, mas ótimo pra confuder.

    ResponderExcluir
  2. Prefiro rosa nas ventas, cabelo nas ventas, botões no...

    Porra, fia, você anda escrevendo pacarai. Vai escrever assim lem casa! Tá doido...

    ResponderExcluir
  3. Sabedoria 'professional'... quanta ilusão...

    ResponderExcluir
  4. Vc pode rir, irmã... quem escreve assim pode se considerar uma pessoa feliz.

    ResponderExcluir
  5. No momento estou curtindo a minha preguiça, até que comece os vestibulares.

    ResponderExcluir
  6. Merda, Sophia

    No "Apanhador no campo de centeio", o protagonista-narrador diz que os bons autores são aqueles os quais você tem vontade de ser amigo pra poder ligar pra eles na hora que quiser pra falar qualquer coisa sem nenhuma importância.

    Isso é o que eu sinto contigo, queria te conhecer, ver de onde vem essa sua pegada de rua, esse jeito largado.

    Se cuida,

    Almeida José

    www.diarioaustral.wordpress.com

    ResponderExcluir

Olá. Você, sendo você mesmo, não é bem vindo aqui. Mas se você for qualquer outra pessoa, sente-se no chão e coma uma xícara de café.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails