sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Regina.



Não só parecia e cheirava como muquifo. Era um muquifo.
O dono do aluguel falou que a outra moradora acabara de sair de lá, mas aquilo parecia longe de ter sido habitado pelo menos nos últimos 458 anos. Entrou e viu a parede comida, por uma espécie que não conseguiu e tinha medo de conseguir identificar. Jogou a mochila no canto, pegou a chave, trancou e saiu dali, deixando suas coisas a própria sorte. Saiu pra comprar desinfetante, panos e vassoura. Umas cervejinhas também. Voltou. Ia começar a limpar, mas bateu uma pregüiça incrível assim que foi tirando as coisas da sacola. Bocejou. Abriu uma latinha, se sentou encostada na parede e acendeu um cigarro. Tinha uns trabalhos pra fazer, mas dane-se.
De repente, ouviu um soco na sua porta. No susto, lavou-se com cerveja. Quando foi analisar a porta percebeu que a tranca não era muito resistente. Gritaria do lado de fora. Outro soco. Parece que um cara tinha acabado de chegar bêbado em casa e a mulher do bêbado estava descendo o cacete no elemento, contra a sua porta. Com o ouvido na parede, ela começou a conhecer a vizinhança; de pouco em pouco, saía um morador do cortiço pra se intrometer na briga.
Tinha mesmo que ser essa gentinha classe baixa. Se a mãe tivesse continuado a pagar sua mesada, podia alugar algo melhor e não pagar duzentos contos e ainda trabalhar como telemarketing. Fora a escola, fora o filho que ia nascer daqui a uns meses, ela nem sabia direito quando. Mas tudo ia se resolver quando o pai do filho voltasse; ele disse que voltaria.
Outro soco na porta. Gritaria, palavrões. Agora parece que a mulher estava com uma faca. Tsc, povinho pobre horrível. Não ia agüentar dormir com aquele barulho todo. Meteu a mão no bolso. Lá estava ela, nem era tão pequena. Pegou a latinha da cerveja, dobrou um pouco, fez um furo com o lacre e jogou as cinzas do cigarro. Jogou a pedra e deu a primeira paulada.
Pá! O olho arregala, o músculo enrijece, parece que não vai agüentar a pressão, quando o cérebro sente o efeito do crack. Outra paulada. Pá! Ela muda um pouco a fisionomia. Na verdade, ela mudou muito a fisionomia.
E que porra de gritaria é essa, vinda do lado de fora? Batendo na porta? Filhos da puta.
É então que ela já sai no soco e vai brigar, junto com a vizinhança.

14 comentários:

  1. Otimo teu texto!. Fiquei pensando se a briga iria se "deslanchar" pra dentro do apartamento... mas já presinto que é só delirio do Crack.

    ResponderExcluir
  2. Boa narrativa!
    Você redige bem... Por isso te segui.
    E agora, estou aqui para te avisar que estou fazendo um sorteio no meu blog e gostaria de contar com sua participação. Pode ser?

    http://assuntosdenina.blogspot.com/
    Acesse e deixe sua opinião.

    Obrigada
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Droga, ainda tinha esperanças de que ela não se misturasse. (Mentira, era isso mesmo que eu queria).

    ResponderExcluir
  4. Hey, menina! Adorei o texto... Vc escreve muito bem e tem uma boa imaginação! Fora que é bem detalhista também... Eu gosto desse jeito de escrita pois faz o leitor imaginar cada passagem do texto. Parabéns!

    bjão!

    PS: Obrigada pelo coments no meu blog!

    ResponderExcluir
  5. Você consegue escrever um bom texto baseado em algo totalmente corriqueiro do cotidiano, envolvendo temas muito polêmicos. Hoje, foi a desestrutura de Regina, ontem Marília. Aliás, li o texto tbm e achei forte, bem freudiano.
    Parabéns.;)

    ResponderExcluir
  6. É exatamente isso que gosto de ler. O hoje transformando em arte. O invisível ganhando destaque. E também a vida como ela realmente é sendo mostrada tão de perto.

    ResponderExcluir
  7. seu texto é excepcional. Falo isso por um motivo só. Você fez com que eu imaginasse perfeitamente o que aconteceu. Parabéns!

    http://assuntosdenina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Interessante seu blog , gostei das postagens
    ameei esse post mesmo estou te seguindo .

    ResponderExcluir
  9. Jane correndo pra eu... hum, sexy....

    "Outro soco na porta. Gritaria, palavrões. Agora parece que a mulher estava com uma faca. Tsc, povinho pobre horrível."

    Adoro brincar com estereótipos... ou falar sério ou apenas citar ou apenas transformá-los em....


    ARTE.

    ResponderExcluir
  10. O texto vale pela criatividade, mas ainda precisa melhor em muitos aspectos, principalmente nos seus vícios de linguagem q vc insistentemente leva para a narrativa... mas no geral está bom, continue treinando q a tendência é melhorar.

    Parabéns pela iniciativa.

    http://mikaelmoraes.blogspot.com
    sigo quem me segui
    comento quem comenta
    mas se me visitar não fuja do tema

    ResponderExcluir
  11. ótimo texto com uma representação mto loca rs

    ResponderExcluir
  12. Mikael,
    Não sou um ás da gramática, mas usar linguagem coloquial nos meus textos é proposital. Se eu escrevesse toda pomposinha falando das coisas marginalizadas que eu costumo falar, a escrita ia ficar longe da idéia.

    ResponderExcluir
  13. Não vou falar que você escreve muito bem, porque isso todos estão dizendo e você já sabe!

    Sobre a história é realmente um retrato de um cotidiano atual, infelizmente: mulheres grávidas, viciadas e abandonadas pelos companheiros.

    "A violência é tão fascinante e nossas vidas são tão normais"

    ResponderExcluir
  14. Ótimo texto, adoro suas abordagens.
    Crack é a praga da humanidade.
    Moro em SP, onde "pega" mais essa merda.

    abç
    Pobre Esponja

    ResponderExcluir

Olá. Você, sendo você mesmo, não é bem vindo aqui. Mas se você for qualquer outra pessoa, sente-se no chão e coma uma xícara de café.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails