sexta-feira, 15 de julho de 2011

O sabor viciante da merda.



Você olha para a merda e é como se fizesse parte dela, mesmo que você ache que não tenha feito nada para isso. Porque esse sentimento está embutido na capacidade, acima de qualquer outra, do fracasso. E não, não se trata este de um discurso derrotista, mas do cabal fato de que é assim que funciona. Tanto que um vitorioso só assim o é porque não teve medo de vencer. E "não ter medo de vencer" é eufemismo para "não ter medo de enfiar a cara na merda".
E é com esse sabor metano que se acorda atrasado, escova os dentes com desleixo e corre para milhares de ondes, para conseguir surpreender o tradicional gosto bósteo. O terno sabor da mediocridade.
Sabor como aquele de quando você achou que jamais conseguiria pegar o jeito de abrir o cadeado, ajeitar a antena da televisão, fazer uma monografia espetacular. Sabor do papo intelectual que você decorou há anos atrás e que ainda cola, partindo da premissa de que a merda a que você se propõe é juíza do bom gosto e que bom gosto é renome.
E nessa cena, no meio desse cheiro e do gosto ruim - de merda velha e seca -, você visualizou algo delicioso. E ficou imaginando ser ovacionado por nadas, sem mexer a porra dum músculo. Mas se você quiser, pode largar tudo, quase tudo ou nada e produzir algo tão fabuloso que você mesmo pode desacreditar. Mas imaginar é mais fácil que persistir. E estar na merda não é aquém. É normal. E por isso, muitas vezes se mantém nessa cômoda posição.
Você passa por mendigos, gente suada no ônibus lotado às seis da tarde, seu chefe vem falar merda. E você sente estes cheiros e olha para a rua com cara de desprezo.
Mas o cheiro não é da rua. O cheiro vem de você. Do lugar onde você anda, do que você faz e principalmente, com o que se incomoda.

Você olha para a merda e sente-se como se fizesse parte dela, mesmo que você ache que não tenha feito nada para isso. E isso só vai mudar quando seu conforto não for melecar-se num banho de esterco. Esterco, aquilo que simplesmente se tem vontade e do qual sempre quer se livrar, mas nunca deixa de produzir.

5 comentários:

  1. Me doeu quando tocou no assunto monografia.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. fico feliz de que vc esteja produzindo tanto. fico feliz

    ResponderExcluir
  4. Um pedido:

    Faz um texto sobre dois rapazes que se amam.

    Como, no seu estilo, você desenvolveria esse tema?

    ResponderExcluir

Olá. Você, sendo você mesmo, não é bem vindo aqui. Mas se você for qualquer outra pessoa, sente-se no chão e coma uma xícara de café.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails