terça-feira, 11 de junho de 2019

Era quase 13h. A cabeça fritava embaixo de um dia nublado e do frio. Porque a temperatura nada tinha com isso. Era repelido por várias experiências que teve desde o início do seu dia: escovou os dentes, lavou o rosto, se vestiu e saiu para um trabalho que desprezava. Andou no automático e só se deu conta do que estava fazendo às 18h37min, enquanto voltava pra casa e tomou uma trombada na linha vermelha que jogou sua blusa no vão da plataforma.

Era quase 13h. A cabeça fritava embaixo de um dia nublado e do frio. Porque a temperatura nada tinha com isso. Era repelido por várias experiências que teve desde o início do seu dia: escovou os dentes, lavou o rosto, se vestiu e saiu para um trabalho que desprezava. Andou no automático e só se deu conta do que estava fazendo às 19h02min, enquanto voltava pra casa e um conhecido cutucou seu ombro e acenou, por aquela função antropológica um pouco estranha que tem o ser humano de dizer "Olá, te vi", sem ter o interesse em continuar a conversa.

Era quase 13h. A cabeça fritava embaixo de um dia ensolarado. Mas a temperatura nada tinha com isso. Era repelido por várias experiências que teve desde o início do seu dia: escovou os dentes, lavou o rosto, se vestiu e saiu para um trabalho que desprezava. Andou no automático e só se deu conta do que estava fazendo às 16h28min, quando foi tentar pegar uma chave de fenda que rolou para baixo do armário e cortou a mão em um prego que estava lá.

Era quase 13h. A cabeça fritava embaixo de um dia abafado. Mas a temperatura nada tinha com isso. Era repelido por várias experiências que teve desde o início do seu dia: escovou os dentes, lavou o rosto, se vestiu e saiu para um trabalho que desprezava. Andou no automático e só se deu conta do que estava fazendo às 21h56min, quando acordou de um pesadelo, onde era sufocado por um monte de palavras que entravam pela sua boca e cortavam sua pele querendo entrar também. O sonho foi consciente e não conseguia acordar.

Acordou às 3h. Levantou, acendeu a luz. Olhou-se no espelho. Haviam passado, ao menos, uns 14 anos.

Um comentário:

Olá. Você, sendo você mesmo, não é bem vindo aqui. Mas se você for qualquer outra pessoa, sente-se no chão e coma uma xícara de café.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails